October 10, 2019

October 3, 2019

January 29, 2019

Please reload

Posts Recentes

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Posts Em Destaque

O que é o STRESS?

January 29, 2019

Na sociedade actual verifica-se um aumento significativo do stress, devido ao ritmo de vida, que a maioria de nós vivência todos os dias. Uma vez, que as actividades laborais consomem a maioria do tempo das pessoas, bem como o cumprimento de horários rígidos, entre outras situações comuns ao dia-a-dia do ser humano, contribuem de forma gradual para o aumento dos níveis de STRESS.

 Quando os sintomas de stress persistem por um determinado período de tempo de forma consecutiva, podem ocorrer sintomas de ansiedade e depressão.

 

Os nossos mecanismos de defesa passam a não responder de uma forma eficaz, aumentando assim a possibilidade do aparecimento de doenças, especialmente cardiovasculares. Ao nível físico o nosso organismo quando é confrontado com situações propícias a desencadear reacções de stress, produz de forma mais rápida hormonas, como é o exemplo da adrenalina.

 

Contudo, importa referir que o Stress não é considerado uma doença, mas sim uma reacção do organismo a uma ou mais sobrecargas de factores externos como por exemplo:

– Trânsito;

– Problemas financeiros , profissionais ou familiares;

– Doenças crónicas ou acidentes;

– Consumos de álcool e ou drogas;

– Características de personalidades que revelam uma maior insegurança ou que apresentem baixa tolerância à frustração.

 

 

Diferentes Níveis, Tipos e Fases de Stress

 

O nível de stress varia de pessoa para pessoa. Ou seja, o que é stressante para determinada pessoa (muito stress), pode não o ser para outra e o que parece resultar como atenuante do stress numa pessoa pode não ser eficaz com outra.

 

O stress pode causar danos generalizados, por isso, é importante conhecermos as suas diferentes fases e o nosso próprio limite. Algumas pessoas são capazes de desmoronar perante um obstáculo ou frustração, enquanto outras parecem prosperar sobre a emoção e o desafio de um estilo de vida de alto stress.

 

A capacidade do indivíduo o tolerar depende de muitos fatores, incluindo a qualidade dos seus relacionamentos, a sua visão geral sobre a vida, a sua inteligência emocional e a própria genética.

 

Podemos identificar dois tipos de stress: o stress positivo e negativo.

 

A fase positiva (stress positivo) também é conhecida como eustress e a fase negativa (stress negativo) como distress.

 

O Stress Positivo ( Eustress) é agradável e construtivo, associado a emoções positivas, provoca efeitos benéficos no nosso organismo. É o eustress que impulsiona os nossos comportamentos e que contribui para que possamos agir de forma mais activa perante determinada circunstância da nossa vida. Em momentos de indecisão o eustress funciona como uma espécie de “bebida energética” que leva o ser humano a decidir de forma activa face a determinada situação.

 

O Stress Negativo (Distress) é associado a sofrimento e a aspectos negativos da nossa vida, o distress tem efeitos nocivos no nosso organismo.

 

No entanto, o stress nem sempre é negativo. Em pequenas doses, pode ajudar-nos a trabalhar sob pressão e motiva-nos a fazer o nosso melhor. Pelo contrário, quando atinge níveis elevados, o corpo e a mente pagam o seu preço.

 

O stress não surge apenas em consequência de acontecimentos desagradáveis. Acontecimentos positivos, mas que constituem uma mudança significativa na nossa vida, como por exemplo casar, uma nova atividade profissional, uma gravidez, mudança de casa ou cidade, etc, também nos podem deixar tensos e provocar stress e ansiedade.

 

O problema nos tempos modernos é que a resposta ao stress é acionada regularmente pelo nosso organismo, embora as nossas vidas não estejam em perigo, e a exposição crónica às hormonas do stress pode prejudicar o organismo (stress crónico ).

 

É importante aprender a reconhecer quando o nível de stress está fora do seu controlo e é entendido por si como ultrapassando os seus recursos disponíveis, físicos e psicológicos.

É importante saber reconhecê-lo e efectuar uma boa gestão do stress, de forma a minimizar o problema.

 

Stress – Quais os principais sintomas?

 

Os sintomas de stress são a forma que o nosso organismo encontra para nos informar das alterações a que está a ser sujeito.

 

Para melhor entendermos quais são os sintomas do stress, para os quais devemos estar atentos, dividi-los-emos em mentais e físicos (stress mental e stress sintomas físicos).

 

Os sintomas de stress emocional são, vulgarmente, os que se seguem:

 

* Cansaço mental;

* Perda de memória;

* Falta de concentração;

* Apatia e desânimo (pensamentos negativos);

* Ansiedade;

* Preocupação excessiva;

* Alterações no humor (mau humor constante, ou mais frequente);

* Irritabilidade excessiva (a pessoa sente-se frequentemente irritada);

* Agitação psicomotora, incapacidade de relaxar;

* Sentimentos de estar sobrecarregada ou sobrecarregado;

* Sentimento de solidão e isolamento (isolar-se dos outros);

* Depressão ou tristeza;

* Negligenciar responsabilidades, evitar situações;

* O uso de café, álcool, tabaco ou drogas para tentar relaxar.

 

 

Os sintomas físicos do stress são, geralmente, os seguintes:

* Sensação de cansaço;

* Dor de costas, dor muscular;

* Diarreia ou obstipação (prisão de ventre);

* Dor na barriga (estômago);

* Azia;

* Tensão arterial alta;

* Tonturas e náuseas;

* Dor de cabeça;

* Dor no peito;

* Frequência cardíaca mais acelerada (taquicardia);

* Perda do desejo sexual (falta de desejo);

* Alergias e constipações frequentes;

* Alterações no apetite (comer muito ou falta de apetite);

* Perturbações do sono (excesso de sono, dificuldade em dormir - sem sono);

* Tiques nervosos (roer as unhas, por exemplo);

* Queda de cabelo;

* Alteração dos níveis de colesterol e triglicerídeos;

* Alterações na menstruação;

* Mãos transpiradas;

* Herpes.

 

 

Obviamente, o stress não é causado exclusivamente por factores externos. Ele pode ser desenvolvido, por exemplo, quando nos preocupamos, excessivamente, com algo que pode ou não vir a acontecer, pensamentos pessimistas sobre a vida, isto também pode constituir uma fonte de stress. As causas do stress também dependem da percepção que temos dele. Algo que é stressante para uma pessoa pode não o ser para outra.

 

Conheça, de seguida, algumas das causas comuns de stress.

 

Causas de stress externas

 

* Stress no trabalho (stress profissional);

* Problemas financeiros;

* Grandes mudanças na vida;

* Problemas familiares;

 

Causas de stress internas

 

Padrão de comportamento ansioso (stressada / stressado);

 

* Pessimismo;

* Expectativas irreais / perfeccionismo;

* Pensamento rígido, falta de flexibilidade;

* Atitudes de “tudo ou nada”.

 

Com a pressão do dia-a-dia e o ritmo acelerado em que vivemos muitos de nós, cheios de responsabilidades profissionais e familiares, não é de admirar que, por vezes, nos sintamos stressados ao limite, perdendo o controlo das nossas vidas.

 

Stress crónico (Bournout)

 

O stress bournout é uma situação limite onde existe stress de tal forma excessivo que podem daí advir graves consequências.

 

O stress crónico perturba quase todos os sistemas do seu organismo, sendo os sintomas de stress crónico ainda mais exacerbados. A exposição prolongada ao stress (crónico) pode levar a sérios problemas de saúde.

O corpo não faz distinção entre as ameaças físicas e as psicológicas. Quando estamos stressados devido a uma agenda repleta, uma discussão com um colega, um engarrafamento no trânsito ou uma montanha de contas, o seu corpo reage tão fortemente como se estivesse diante de uma situação de vida ou de morte. Como já vimos, se temos muitas responsabilidades e preocupações, a nossa resposta ao stress de emergência pode ser "ligado" a maior parte do tempo. O sistema de stress do seu corpo é activado, o mais difícil é desligá-lo.

 

Ele pode aumentar a pressão arterial, suprimir o sistema imunológico, aumentar o risco de ataque cardíaco e acidente vascular cerebral, contribuir para a infertilidade e acelerar o processo de envelhecimento. O stress crónico pode até reprogramar o cérebro, deixando-o mais vulnerável à ansiedade e depressão.

 

Quando o stress começa a interferir com a sua capacidade de viver uma vida normal por um período prolongado, torna-se perigoso. Quanto mais tempo o stress durar, pior tanto para a mente como para o corpo. Podemos sentirmos-nos cansados, incapazes de nos concentrarmos ou irritados sem uma boa razão, por exemplo. Nesta fase é provocado um grande desgaste no seu corpo e aí sim podemos enfrentar uma situação complicada.

Todos nós temos que conviver com o stress, mas se não for travado pode, profundamente, afectar tanto a mente como o corpo.

 

Se tem dificuldade em gerir o stress, pode precisar de ajuda extra.

Nesse caso procure um especialista que o ajude no controlo dos seus níveis de stress.

Felizmente, se agirmos atempadamente podemos controlar a nossa vida, gerindo o stress e os efeitos no organismo, de modo a evitar esta situação limite.

Please reload

Siga
Please reload

Procurar por tags